00000X0

setembro 2014

as argentinas Mujeres Insurectas

484663_421139411298422_241745489_n.png
45922_413859202026443_1559223963_n.png
75808_421139467965083_1752733715_n.png
379216_421139521298411_250578733_n.png
603080_421139491298414_833268729_n (1).png

_micheliny verunschk

Eu celebro
a máquina
do teu nome, 
engrenagem
de letras e afeto, 
solidão inaudita
do meu próprio
esquecimento.

Eu celebro
o teu corpo
e nele tudo
o que é ausência
de mim
mesmo, 

tudo
o que em ti
é pedra,
animal extinto,
silêncio absoluto
de uma tarde
presa na memória.

Eu celebro
os vestígios, 
os fragmentos,
as ruínas,
a completude,
que inventamos
sendo apenas estilhaços.

Eu celebro o amor, 
a impossibilidade.


Captura de Tela 2014-10-14 às 19.30.31.png

angélica freitas

eu durmo comigo/ deitada de bruços eu durmo comigo/ virada pra direita eu durmo comigo/ eu durmo comigo abraçada comigo/ não há noite tão longa em que não durma comigo/ como um trovador agarrado ao alaúde eu durmo comigo/ eu durmo comigo debaixo da noite estrelada/ eu durmo comigo enquanto os outros fazem aniversário/ eu durmo comigo às vezes de óculos/ e mesmo no escuro sei que estou dormindo comigo/ e quem quiser dormir comigo vai ter que dormir ao lado.




Slurpee Waves in Nantucket